12/12/2014 às 16h36min - Atualizada em 22/05/2015 às 14h56min

Serra Leoa proíbe celebrações públicas no Natal e Ano Novo por ebola

"Vamos garantir que todos permaneçam em casa para refletir sobre (o perigo) do Ebola"

As reuniões públicas para o Natal e Ano Novo serão proibidas este ano em Serra Leoa devido ao Ebola, indicou nesta sexta-feira (12) o chefe do Centro Nacional de Luta Contra a Epidemia (NERC), Palo Conteh.

"Não haverá celebrações de Natal ou Ano Novo este ano", disse a repórteres, acrescentando que "os militares estariam nas ruas" para evitar qualquer festa.

"Vamos garantir que todos permaneçam em casa para refletir sobre (o perigo) do Ebola", afirmou, sem especificar uma data ou quaisquer exceções.

De acordo com as estatísticas oficiais, Serra Leoa compreende cerca de 60% de muçulmanos e "entre 25 e 30%" de cristãos. Mas no país, Natal e Ano Novo dão espaço a reuniões públicas ou eventos festivos sem distinção de religião.

Em Freetown, a capital do país cuja população é estimada em cerca de 1,2 milhão de habitantes, boates e bares estão fechados há meses por causa do estado de emergência declarado em 31 de julho devido ao Ebola e ainda em vigor. Também em razão da doença, os muçulmanos comemoraram o Eid al-Adha sem pompa e com reduzidos encontros no início de outubro.

E mais da metade das 14 províncias do país estão sujeitas a restrições de tráfego. A atual epidemia de Ebola foi declarada no sul da Guiné em dezembro de 2013 e, desde então, já causou mais de 6.500 mortes, 99% na Libéria, Serra Leoa e Guiné.

Apesar de a Libéria concentrar quase metade das mortes, Serra Leoa tornou-se o país mais afetado em relação ao número de casos.


Link
Notícias Relacionadas »