06/06/2015 às 09h26min - Atualizada em 06/06/2015 às 09h26min

Com suspeita de propina, duelo Brasil x Argentina é investigado pela Suíça

- Gazeta Esportiva

Um amistoso da Seleção Brasileira entrou na lista de investigação do Ministério Público da Suíça por suspeita de corrupção. As autoridades europeias averiguam se o duelo do esquadrão canarinho diante da rival Argentina, em 2010, foi utilizado como pretexto para o pagamento de propina. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Ricardo Teixeira, então presidente da CBF, e Julio Grondona, ex-mandatário da Associação de Futebol da Argentina (AFA), teriam recebido dinheiro de empresários em troca do voto no Catar durante as eleições que sacramentaram a sede da Copa do Mundo de 2022.

Na investigação, a polícia suíça confiscou documentos na sede da empresa Kentaro, responsável por articular os amistosos da Seleção Brasileira no período compreendido entre 2006 e 2012 – em nome de investidores sauditas. De acordo com a reportagem, no mesmo dia da partida entre canarinhos e alvicelestes, Ricardo Teixeira também assinou uma extensão de contrato com a ISE, uma empresa árabe que organizaria os duelos da equipe pentacampeã mundial até 2022.

O valor declarado à época para tornar viável o amistoso entre brasileiros e argentinos no território catariano foi de 4 milhões de euros (cerca de R$ 14 milhões). Assim, o dinheiro excedente é interpretado inicialmente como propina para Teixeira e Grondona, que participaram do pleito marcado por acusações de corrupção.

A reportagem apontou que os organizadores da Copa de 2022 negaram que o valor pago pelo evento tenha relação com o Mundial e com a Associação de Futebol do Catar. Todavia, mesmo com tal versão, os investigadores entendem que os contratos que tornaram o amistoso viável podem ser enquadrados como violações do Código de Ética da Fifa.

Contudo, o processo de averiguação em curso na Suíça difere do protagonizado nos Estados Unidos, onde procuradores norte-americanos assinalaram 14 executivos – e prenderam outros sete – através de denúncias de lavagem de dinheiro, fraude fiscal e crimes de corrupção, com montante relacionado à negociação de votos em escolhas de sede e também venda de direitos de transmissão.


Link
Notícias Relacionadas »
Fátima em Dia Publicidade 1200x90