27/04/2016 às 16h31min - Atualizada em 27/04/2016 às 16h31min

Trabalhadores dos Correios param hoje e professores dia 2 de maio

Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), de Mato Grosso do Sul, aderem à paralisação nacional programada para hoje em todo Brasil. Os professores da rede municipal de Campo Grande prometem cruzar os braços, por tempo indeterminado a partir da próxima segunda-feira, 2 de maio.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso do Sul, Elaine Regina Oliveira, o manifesto nacional é por política salarial, melhores condições de trabalho e contra a privatização da empresa estatal. Em Campo Grande a movimentação começou cedo em frente ao Centro Operacional e nas unidades de distribuição. A paralisação atinge também cidades do interior.

Elaine Regina Oliveira diz que a paralisação nacional "é um movimento de advertência à direção da empresa e ao governo federal pois queremos melhores condições de trabalho, somos contra o fechamento de agências, cobramos melhoria em nosso plano de saúde e uma solução para a crise em nosso fundo de pensão, fruto de má gestão e somos contra qualquer projeto de privatização dos Correios", diz.

Segundo o sindicato, entre as reivindicações constam também a realização de concurso público para suprir falta de funcionários no atendimento das agências e nos centros de distribuição.

"Os Correios, em MS e em todo pais, enfrentam esse problema que afeta inclusive os clientes por conta do atraso na entrega de correspondências e encomendas. Mas queremos que os usuários dos Correios entendam que os trabalhadores estão sobrecarregados e é humanamente impossível atender a demanda com o atual quadro defasado de funcionários tanto na capital quanto no interior. A empresa precisa tomar uma providência e realizar contratações", afirma Elaine Regina.

Contraproposta da prefeitura da Capital frustra expectativa dos educadores que prometem greve a partir de segunda

Contraproposta da prefeitura da Capital frustra expectativa dos educadores que prometem greve a partir de segunda

Contraproposta da prefeitura da Capital frustra expectativa dos educadores que prometem greve a partir de segunda

Já, os professores da Rede Municipal de Ensino (Reme) de Campo Grande decidiram, em Assembleia Geral do Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Básica (ACP), na manhã de ontem, entrar em greve a partir do dia 2 de maio.

A Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), entidade que ACP é filiada, esteve presente na Assembleia, representada pelo seu presidente, Roberto Magno Botareli Cesar, dando total apoio a categoria. "A Fetems estará junto com vocês, com a ACP, em todos os momentos desta greve, pois entendemos que as legislações de valorização da nossa categoria precisam ser imediatamente cumpridas e não podem ser apenas promessa de palanque político", disse.

Segundo presidente da ACP, Lucilío Nobre, a greve é resultado da falta de diálogo da atual administração pública. "Já enviamos 11 ofícios para a Prefeitura Municipal, nenhum deles foi respondido, nossas poucas reuniões tem sido de enfrentamento e não de construção, portanto não nos restou outra saída que não fosse a greve e com certeza é muito importante ter a Fetems caminhando conosco neste momento e fortalecendo a nossa luta", afirma.

Reivindicação

Os professores cobram 11,36% de aumento, referente ao Reajuste do Piso Salarial Nacional, que deveria ter sido feito em janeiro de 2016, além de 13,01%, referentes a Legislação Municipal nº 5411/14, que regulamenta a aplicação do Piso Salarial dos profissionais da educação municipal de Campo Grande para uma jornada de 20h.

Agenda da Greve

Nesta quarta-feira (27), será encaminhado ao governo municipal ofício com pedido de audiência e também envio de documento informando diversos órgãos públicos sobre a greve. Na quinta-feira (28), a entidade prepara divulgação publicitária para ressaltar os dez motivos que levarão os professores a paralisarem suas atividades nas unidades escolares.

No próximo dia 2 de maio, início oficial da greve, os professores farão uma concentração em frente a ACP, a partir das 8h e depois sairão em passeata até a Prefeitura Municipal, na Avenida Afonso Pena. No dia seguinte, 3, a mobilização ocorrerá na sessão da Câmara dos Vereadores.

O lema da greve será: "Quem não cumpre educação, nem legislação, não merece eleição", mensagem direta ao prefeito Alcides Bernal (PP), que pode ser candidato a reeleição este ano e que por diversas vezes afirmou em seu discurso de campanha, no pleito passado, que valorizaria os professores e cumpriria a Lei do Piso Salarial.

Link
Notícias Relacionadas »