16/09/2016 às 21h00min - Atualizada em 16/09/2016 às 21h00min

Prefeito esconde carro para não pagar indenização em processo de fake, mas veículo é localizado em propriedade de parentes em Fátima do Sul

Prefeito foi informado a mais de 20 dias sobre a decisão da justiça e não cumpriu os prazos

Washington Lima

O prefeito de Fátima do Sul (MS), Eronivaldo da Silva Vasconcelos Junior​, o  Junior Vasconcelos (PSDB), teve seu veículo Focus, placa NRW-9251, apreendido por  recusar a pagar indenização por danos morais, a umas das vítimas dos perfis falsos (fakes) no Facebook, para atacar adversários políticos.

O carro do Prefeito foi apreendido na tarde desta sexta-feira (16), escondido em sítio de parentes, localizado na Linha Igassu, 1ª Zona, no município de Fátima do Sul.

De acordo com os advogados da vítima, que entraram na justiça com execução de sentença, na qual obrigava o Prefeito Eronivaldo da Silva Vasconcelos Junior a pagar  a indenização por danos morais a vítima, o juiz Hugo Bonifácio Rausch, da 1 Vara Cível da Comarca de Fátima do Sul, expediu a sentença dando um prazo de 15 dias para o pagamento da indenização, intimando o advogado de defesa, do qual o prazo venceu no dia 06 de setembro.

Não havendo a quitação da indenização, os advogados entraram com o pedido de penhora, onde o juiz Hugo Bonifácio Rausch, da 1 Vara Cível da Comarca de Fátima do Sul, despachou na tarde de quinta-feira (15), o pedido de bloqueio e remoção do veículo, sendo o único bem existente em nome do Prefeito Eronivaldo da Silva Vasconcelos, do qual foi apreendido na tarde desta sexta-feira, sob a ordem judicial.

O valor da indenização que deveria ter sido paga a vítima de danos morais, seria de aproximadamente de R$ 13 mil, incluindo a multa de 10%, pelo não cumprimento do prazo vencido no dia 06 de setembro.

Logo após o cumprimento da decisão judicial, usando de sua rede social, o Prefeito Eronivaldo da Silva Vasconcelos Junior, alegou que o caso é jogo sujo, colocando em duvida a decisão da justiça, em um processo que já se tramita na justiça a mais de um ano, tendo em vista que a defesa recorreu em todas as instâncias para tentar se livrar do processo conhecido em todo o Estado como “FAKE JÚNIOR”.

NOTA DA COLIGAÇÃO TEMPO DE RECOMEÇAR

A reportagem do Fátima do Em Dia, procurou a coordenação coligação Tempo de Recomeçar, para comentar a nota do Prefeito o Junior Vasconcelos (PSDB), em ele diz ser jogo sujo de adversários políticos, a coordenação respondeu a nossa reportagem que quem tem que dar explicação sobre seu atos, principalmente sendo Prefeito da cidade de Fátima do Sul, é o Junior Vasconcelos, porque ele quem cometeu os crimes e respondia na justiça, primeiro por criar um perfil falso no facebook, para denegrir a imagem das pessoas. Em segundo lugar escondeu o veículo, para dificultar a decisão da justiça. E por ultimo de comentar e falar sobre a ação do Poder Judiciário. A ordem de Juiz se cumpre não se discute.

O CASO

O caso ocorreu em março de 2015, sendo o prefeito denunciado à polícia e à justiça. Júnior Vasconcelos tentou driblar a Justiça jogando a culpa da criação dos perfis falsos a um dos servidores da prefeitura, inclusive chegou a demiti-lo. Na época, afirmou que o tal funcionário teria utilizado das linhas telefônicas não só da prefeitura, como de sua casa, de sua família e até do seu celular particular.

A condenação mostra que a tentativa de enganar o Poder Judiciário não surtiu efeito, mesmo Junior indicando o autor das publicações, o magistrado entendeu que ele era responsável e culpado, tanto é que além da indenização da vítima, terá que pagar os honorários advocatícios e as custas da ação.

Na época atendendo pedido do advogado da vítima, o juiz Hugo Bonifácio Rausch, da 1 Vara Cível da Comarca de Fátima do Sul, determinou que as empresas telefônicas Oi e Vivo, fornecessem o número das linhas telefônicas, endereços residenciais, bem como o IP (Internet Protocol) dos computadores de onde partiram as ameaças dos perfis falsos cadastrados como 'Fátima de Souza' e "Roberto Noroy'".

Pelos dados enviados à Justiça pelas concessionárias, constam que para as postagens agressivas foram utilizados computadores e linhas telefônicas da Prefeitura de Fátima do Sul, da casa do prefeito, da residência do sogro do prefeito, do celular da esposa do secretário de Educação, do celular particular do prefeito, de um dos seus assessores, bem como de municípios próximos.

 


Link
Notícias Relacionadas »