25/06/2021 às 10h45min - Atualizada em 25/06/2021 às 10h45min

Obrigatória a partir de julho, municípios podem 'privatizar' coleta do lixo para cobrança

- DOURADOS NEWS

Municípios brasileiros deverão iniciar a cobrança pela coleta e descarte de resíduos sólidos a partir de 15 de julho. A medida está integrada ao novo Marco Legal do Saneamento Básico, sancionada em julho do ano passado pelo Governo Federal.

Com isso, o contribuinte terá mais uma taxa a pagar nos próximos dias. 

De acordo com o definido no Novo Marco, a intenção é tornar esse tipo de trabalho sustentável nas cidades do país, onde atualmente 47% das prefeituras realizam a cobrança. 

No Estado, em torno de 20 municípios já contam com a tarifa. 

Cidades como Campo Grande, Naviraí, Bataguassu e Chapadão do Sul, por exemplo, repassaram os serviços à iniciativa privada através de contratos de Concessão ou voltados à PPP (Parceria Público Privada). 

Conforme o estudo intitulado ‘Universalização da limpeza urbana’, publicado este ano pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), essas medidas seriam viáveis para os municípios, independentemente do tamanho da população. 

O documento, mostra como as ações são realizadas nesses locais e a forma da prestação dos serviços. 

Em Chapadão do Sul, na região Norte do Estado, o estudo cita que após a implantação do contrato de PPP, em 2015, já teve início a operação e monitoramento da unidade de gerenciamento de resíduos sólidos, incluindo plano de recuperação de área degradada.

Já em Bataguassu, no Leste sul-mato-grossense, a escolha foi pela concessão de serviço público de coleta, que inclui ainda transporte, tratamento e destinação final de resíduos sólidos provenientes de construções, reformas e demolições, mediante utilização de caçambas estacionárias.

Em Dourados ainda não há taxação, porém, diante da determinação, projeto vem sendo executado para encaminhamento à Câmara de Vereadores nos próximos dias.

O município é um dos poucos do Estado que possuem aterro sanitário e não conta com os famosos ‘lixões’. 

Novo Marco

Com a implantação do Novo Marco do Saneamento Básico no país, prefeituras devem regulamentar ações para a aplicação de tarifas ou taxas relacionadas à coleta de lixo até o dia 15 de julho. 

Segundo o roteiro para sustentabilidade do serviço público de manejo de Resíduos Sólidos Urbanos, publicado pelo Ministério do Desenvolvimento Regional para auxiliar gestores municipais em março deste ano, o recolhimento de resíduos deve “ter a sua sustentabilidade econômico-financeira assegurada pela cobrança de taxa ou tarifa”. 

No mesmo documento, é previsto que “a não proposição de instrumentos de cobrança pelo titular do serviço, até 15 de julho de 2021, configura renúncia de receita, com as suas consequências legais”.
Link
Notícias Relacionadas »
Fátima em Dia Publicidade 1200x90